Escrito em por
Artigos, Artigos sobre Direitos Animais.

Cavalos não são máquinas para uso humano!

Cavalo ricamente apetrechado, com freios desenhados para facilitar a aplicação dos choques neurocraniais que o cavaleiro tem que aplicar à boca do cavalo, sob pena de esse não lhe obedecer.

Não existem “mãos macias”, afirma Alexander Nevzorov. Existem treinamentos para ensinar ao humano montado sobre o lombo do cavalo como fazer doer de modo lancinante os nervos que se espalham pela face e crânio, deixando o animal aturdido de dor.

Esse é o segredo da equitação, confessa o treinador de cavalos da Nevzorov Haute École, o resto é apenas glamour construído para acobertar a realidade da dor e do sofrimento dos animais não humanos forçados a viverem sob os traseiros humanos.

Eles chamam a esse aparato de “estabilizador”. Muito oportuna a palavra: estabilizar a dor.

É isso que o montado faz com os freios chiques enfiados na cavidade bucal do equino: ele dá choques e tem macetes para estabilizar a dor.

Quem sabe estabilizar bem a dor que inflige é um cavaleiro de “mãos macias”.

Ai, bota o freio nele e usa o “estabilizador” para estabilizar uma vez bem estabilizada a dor na face e no crânio dele? Queria ver ele chamar isso de “macio”, queria ver esse cavaleiro do mal beijar a mão em gratidão por tamanha “maciez” na aplicação da dor.

Céus! Vai faltar perdão!

cavalos-equitacao-hipismo-estabilizando-a-dor-dos-choques

 

Sônia T. Felipe, doutora em Teoria Política e Filosofia Moral pela Universidade de Konstanz, Alemanha (1991), fundadora do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Violência (UFSC, 1993); voluntária do Centro de Direitos Humanos da Grande Florianópolis (1998-2001); pós-doutorado em Bioética – Ética Animal – Univ. de Lisboa (2001-2002).

Autora dos livros, Por uma questão de princípios: alcance e limites da ética de Peter Singer em defesa dos animais (Boiteux, 2003); Ética e experimentação animal: fundamentos abolicionistas (Edufsc, 2006); Galactolatria: mau deleite (Ecoânima, 2012); Passaporte para o Mundo dos Leites Veganos (Ecoânima, 2012); Colaboradora nas coletâneas, Direito à reprodução e à sexualidade: uma questão de ética e justiça (Lumen & Juris, 2010); Visão abolicionista: Ética e Direitos Animais (ANDA, 2010); A dignidade da vida e os direitos fundamentais para além dos humanos (Fórum, 2008); Instrumento animal (Canal 6, 2008); O utilitarismo em foco (Edufsc, 2008); Éticas e políticas ambientais (Lisboa, 2004); Tendências da ética contemporânea (Vozes, 2000).

Cofundadora da Sociedade Vegana (no Brasil); colunista da ANDA (Questão de Ética) www.anda.jor.br. Coordena o projeto: Ecoanimalismo feminista, contribuições para a superação da discriminação e violência (UFSC, 2008-2014).

Foi professora, pesquisadora e orientadora do Programa Interdisciplinar de Doutorado em Ciências Humanas e do Curso de Pós-graduação em Filosofia (UFSC, 1979-2008). É terapeuta Ayurvédica, direcionando seus estudos para a dieta vegana.

Facebook 

Deixe uma resposta