Escrito em por
Ecologia.

Pelo menos essa é a conclusão lógica que podemos tirar após conhecer a fundo o projeto do designer Martín Azúa que criou a Bios, que consiste em uma urna biodegradável composto por uma sementinha em seu interior, celulose, turfa (material vegetal que neutraliza compostos em estado de putrefação), casca de coco e por último o ingrediente final: cinzas! O.o

Depois de inserir as cinzas do falecido, a urna é enterrada e, em poucos dias, a semente começa a germinar e crescer, transformando-se na planta planejada.

“O projeto reintroduz o ser humano no círculo natural da vida. É o ritual de regeneração, do retorno à natureza”, diz o designer.

 

 

Agora eu já sei mais uma utilidade para meu corpo quando vir a falecer, só resta saber se a poluição causada para cremar compensa. Será?

Ambientalista, adepta da alimentação sem carne, simpatizante dos direitos animais e agora blogueira!

Facebook Twitter 

Deixe uma resposta