Escrito em por
Notícias.

Um homem de 65 anos foi acidentalmente morto

Uma elefanta chamada de Baby fugiu de um circo na Alemanha no sábado (13) na cidade de Buchen, sudoeste da Alemanha.

elefanta-escapa-de-confinamento-de-circo-na-alemanha-circos-zoológicos-especismo-antropocentrismo-veganismo-direitos-animais

Um homem de 65 anos que estava fazendo seu passeio matinal para recolher garrafas e latas foi acidentalmente morto pelo animal que já havia fugido outras vezes.

De acordo com a agência de notícias DPA, ainda não foi esclarecido como o animal escapou de seu confinamento, no Circo Luna.

A única coisa que se sabe é que não era para esse animal estar confinado em um zoológico, preso para servir aos interesses humanos (econômicos e de “lazer” familiar) e provavelmente a trágica morte desse senhor não teria acontecido.

A esposa da vítima foi procurá-lo quando ele não retornou de sua caminhada no horário habitual. Ela disse ter notado vários carros de polícia perto das tendas de circo e, ao chegar mais perto, viu o corpo do marido.

A polícia informou ainda estar investigando por que o animal teria atacado o homem. Após o incidente, um funcionário do circo conseguiu capturar o animal e levá-la de volta para as jaulas do circo.

Esta não é a primeira vez que acidentes relacionados a circos acontecem entre animais não-humanos e humanos. Em setembro de 2010, essa mesma elefanta jogou um homem para o ar, provocando-lhe ferimentos.

Em outubro de 2012, Baby bateu num garoto de 12 anos com sua tromba, o que provocou a fratura da mandíbula do menino.

Nota da redação: A elefanta é tão vítima quanto essas pessoas. Circos são prisões tanto quanto Zoológicos criados pelos seres humanos para manter esses animais para visitação pública. O discurso de que são bem-tratados é uma mera falácia usada para justificar o mantenimento desses animais em cativeiros. Elefantes precisam estar em seu habitat natural e quando isso não for possível precisam ser relocados para áreas protegidas de preservação e/ou áreas particulares como santuários de animais.

Deixe uma resposta