Escrito em por
Notícias.

Zoológico: um local perigoso para o ser humano e para os outros animais

Um garoto de 11 anos que estava acompanhado do pai e do irmão, perdeu o braço na altura do ombro, após acidente com um tigre, no zoológico de Cascavel, no Oeste do Paraná.

O ocorrido aconteceu na tarde dessa quarta-feira (30), visitantes do zoológico relataram que o menino havia pulado a cerca de distanciamento para alimentar os animais, o pai havia permitido que o garoto continuasse além da área legalizada, mesmo diante do alerta de perigo dos demais visitantes.

menino-perde-braco-em-zoologico-parana-tigre

O pai do menino foi levado para prestar depoimento na 15ª Subdivisão Policial e em seguida liberado, mas pode responder por lesão corporal grave e negligência. O conselho tutelar vai acompanhar o caso.

O tigre tem apenas três anos e está confinado no zoológico desde os três meses de vida, quando foi “doado” pelo seu criador que acreditava que ele não poderia mais ser exposto por ter a cauda amputada. Após o ocorrido, o tigre foi isolado na área de manejo na qual ficará por quinze dias e será monitorado.

“É comum a gente pegar visitante provocando os animais, o pessoal pega bambu e fica cutucando o leão, fica provocando os macacos. Mas de chegar nesse ponto é a primeira vez”, comentou o veterinário Valmor Passos do Zoológico de Cascavel.

Em relação a responsabilidade do zoológico sobre o caso, a prefeitura de Cascavel fez uma avaliação e informou que não houve falhas ou irregularidades por parte dos guardas municipais responsáveis pela segurança do zoológico da cidade.

De quem é a culpa?
Em situações como essas, principalmente, quando divulgadas intensamente pela mídia tradicional (TV Record, TV Globo, TV Band e outras), sempre promove-se uma verdadeira caçada para encontrar o primeiro culpado pela tragédia, para aquietar-se os ânimos e “realizarmos” a crucificação tão esperada pela imprensa e nesse caso envolvendo uma criança (duas na verdade) isso não seria diferente.

O primeiro ponto a se compreender é que são duas vítimas, o menino inocente que não sabia dos riscos da aproximação com um animal pesado que numa brincadeira pode o ferir gravemente e o próprio tigre que vive uma vida de confinamento pela qual indivíduo algum gostaria de passar.

Em relação a culpa pelo ocorrido no zoológico, a sociedade deveria agir de forma mais racional e analisar a questão como um todo (incluindo os interesses dos animais). Não devemos criminalizar o pai do garoto, afinal, toda a sociedade tem uma parcela de culpa no que aconteceu, a sociedade ensina que os animais existem para nos servir, nos entreter e com base nesse pensamento que o pai levou o filho ao zoológico.

Houve negligência do pai. Sem dúvidas. E se não houvesse sido negligente? E se o tigre tivesse escapado e ferido o garoto ou outras pessoas? A culpa seria de quem? Uma vez que as pessoas frequentam esses locais estão sujeitas aos riscos e aquelas que apoiam e acham correto a existência do zoológico são tão responsáveis quanto. A sociedade tem uma enorme parcela de culpa nisso tudo. As pessoas precisam parar de culpar as outras e enxergar que fazem parte do problema e que poderiam fazer parte da solução.

E o tigre, é claro, pobre tigre, que não pode se mover e correr como faria na natureza, seu instinto animal está em sua genética, suas particularidades enquanto espécie animal e indivíduo ainda estão nele, mesmo diante do condicionamento e da prisão que os humanos o impuseram.

Esperamos que o sofrimento do menino não seja em vão, que a sociedade seja mais inteligente e faça os questionamentos corretos: Se o tigre estivesse em seu habitat isso teria ocorrido? Ambientes que dizem proteger os animais e conservar as espécies deveriam exibi-las ao público como um produto na vitrine? Gostaríamos de ficar a vida toda confinada para que outros pudessem ter lazer? Os animais existem para nos servir de entretenimento? Devemos usar e explorar os animais? Creio que não.

Deixe uma resposta