Escrito em por
Casos, Contra Copa, Notícias.

Um recorte do que tem ocorrido nas manifestações e a Ditadura do Estado

Os relatos abaixo foram feitos por manifestantes que preferem não se identificar por razões óbvias e visa mostrar um pouco do que tem rolado nas ruas e que tem sido constantemente manipulado e distorcido pela mídia tradicional de massa. O relato foi postado na íntegra.

copa-brasil-são-paulo-polícia-truculenta-Estado-violência-manifestantes-agredidos

“Eu tenho muito a dizer sobre o Segundo Ato Contra a Copa, realizado no dia 22 de fevereiro em São Paulo, para facilitar vou separar meu relato em tópicos tentando manter a ordem cronológica dos fatos.

1º O ato foi pacifico sim, ele foi extremamente breve e o ataque da PM foi gratuito, muito violento e rápido.
2º O ataque foi bem pensado e orquestrado pela PM bem antes do ato começar, foi a primeira vez em que caminhamos prensados por duas fileiras de PMs de cada lado e a tropa de Choque ao final do ato. Fomos encurralados o tempo todo.
3º Ouvi diversos relatos de pessoas que ouviram um oficial da PM dar a ordem de que “o ato acaba aqui!” na rua em que fomos atacados. Foi tudo planejado.
4º Nada de novo no fato dos partidos saírem correndo quando a policia ataca, isso sempre ocorre. O novo foi terem segurado o ato deixando um vão no meio do ato, vão utilizado pela PM para atacar os manifestantes que estavam a frente junto com o Black Bloc e as bandeiras anarquistas. Será uma coincidência?
5º Outro fato que me faz ficar preocupado sobre essa atitude dos partidos, durante as prisões muitas pessoas com camisetas vermelhas ou de partidos foram soltas, enquanto ouvi um Sargento da PM dizer que “quem estiver de preto vai se fuder.” Muito suspeito, gostaria de respostas.
6º Depois que os manifestantes foram cercados, algemados e jogados no chão, pouquíssimas pessoas ficaram por perto para auxiliar e filmar os abusos. Dentro do cerco da PM eu vi advogados sendo jogados para fora. E membros da imprensa literalmente chutados.
Um amigo teve a cabeça pisada durante toda a revista da PM e foi chutado enquanto estava no chão.
8º A policia fez um cerco com os escudos para que as pessoas de fora não enxergassem o que eles faziam com os presos, nessa hora me aproximei e fiquei a um palmo de distância dos escudo e pude ver tudo.
Vi um dos presos, um morador de rua, ser levado para trás de um ônibus, jogado ao chão e chutado, gritei como pude, eles me ouviram e pararam.
10º A partir daí os PMs que faziam a fila de escudos começaram a me ameaçar, mas continuei ali, então chegou um oficial e disse gritando e me olhando: “Essa fila avança 10 metros e atropela esse filho da puta!”
11º Eu não me movi, os segurei o máximo que pude com as costas, tomei um chute, mas não os deixei avançar mais que 3 metros.
12º Eu nunca me senti tão sozinho quanto vendo gente que eu amo sendo carregada algemada em baixo de chuva sem poder fazer nada, eu vou levar sempre comigo essa cena e a reação das pessoas que ficaram comigo do lado de fora.
13º Depois disso mais uma vez a PM atacou sem motivo, as poucas pessoas que estavam esperando para ver onde os presos seriam levados receberam uma chuva de gás lacrimogênio.
14º Depois disso decidimos ir para as delegacias procurar os amigos presos, no caminho a cena mais surreal da noite, lá o centro de São Paulo enquanto ao funde se ouviam sirenes, bombas e helicópteros pessoas dançavam animadas num bloco de carnaval ao som de “vai passar” de Chico Buarque. Dançavam alienadas ao som de uma musica sobre a ditadura, depois o locutor gritou animado: “e vai ter copa”. Eu me senti a gravidade com 8 vezes o seu peso normal.
15º Rodamos algumas delegacias até achar as pessoas, no 1ºDP na liberdade vi que haviam levado apenas seis pessoas, e vi um menino se jogado contra a parede, fiquei muito preocupado com a segurança desses seis manifestantes.
16º Relato em conjunto com uma amiga sobre o que todos nós vimos nas delegacias: Um breve relato da manifestação de ontem: Estava eu e outras pessoas na 78˚ DP à procura de colegas que foram detidos. Havia ali alguns fotógrafos e imprensa. Eis que um cinegrafista (!) começou a conversar com PMs, num tom de muito companheirismo e camaradagem, sem nenhum pudor ou vergonha, inclusive já se conheciam e o cinegrafista apresentou seu companheiro de trabalho aos PMs. Muita gentileza entre eles, muita proximidade.
17º Vi advogados serem impedidos de entrar na delegacia para falar com seus clientes, ouve um principio de confusão com um advogado que gritava “nunca ter visto isso, nem na ditadura”.
18º Na 4º DP ouvi os policiais civis conversando, uma conversa bizarra, mas que mostra muito que os alvos de agora em diante serão os jovens anarquistas, segue a conversa:
Policial civil: “Isso é o futuro do país? Isso? Anarquia?
Nem fudendo que a gente vai deixar isso acontecer, se queriam anarquia deviam ter votado no plebiscito.”
Policial Militar que estava ao lado:” Mas doutor acho que não tinha essa opção no plebiscito.”
Policial Civil: ” Tinha sim, tinha até monarquia, tinha tudo.”
19º Depois de uma grande espera todas as pessoas que estavam detidas nesta DP foram liberadas”.

 

Nota da Redação: Está cada vez mais claro, mediante aos relatos, as imagens e vídeos, que o Estado vai fazer de tudo (através da violência) para manter as coisas como estão e censurar toda e qualquer manifestação contrária à Copa do Mundo, contrária a seus interesses privados. Cabe ao povo enxergar, se unir, lutar e boicotar, pois a conta está muito cara, tanto para nossos bolsos, quanto também em termos de violência para aqueles que se manifestam e para as milhares de famílias desapropriadas de seus lares em prol desse evento privado.

 

Saiba mais:
Publicação dos Advogados Ativistas sobre o método Kettling empregado pela polícia;

SP gastará R$ 35 mi com canhão de água e blindados antiprotesto;

Gastos públicos com a Copa-2014 sobem e chegam a R$ 28 bilhões;

– [VÍDEO] Provas que o ato seguia pacífico!

– [VÍDEO] Sobre todo contexto do segundo ato contra copa!

Terceiro grande ato Contra Copa já tem data marcada;

Deixe uma resposta