Escrito em por
Notícias.

Apoiar aquários e zoológicos é apoiar a prisão de animais!

Um filhote de baleia-branca morreu na semana passada no parque SeaWorld em San Antonio, Estados Unidos. Nascido em cativeiro, o animal tinha apenas três semanas de vida.

seaworld-filhote-de-baleia-branca-morre-no-parque-aquario-prisão-zoológico-parques-exploração-especismo-veganismo

A SeaWorld anunciou a morte da baleia em sua página no Facebook como uma tragédia sem responsáveis:

“Nós do SeaWorld ficamos entristecidos com a perda do nosso filhote de baleia-branca, que morreu após semanas de tratamento intensivo. O filhote de três semanas nasceu prematuro e não estava engordando no ritmo esperado pelos veterinários, mesmo tendo sido amamentado pela mãe. Seus tratadores também a alimentavam com uma fórmula específica, sete vezes ao dia. Uma necrópsia será conduzida e o resultado deve sair entre seis e oito semanas. Não é fácil perder um animal sob os nossos cuidados, agradecemos a todos pelo apoio nesse momento difícil para a nossa equipe.”

Por outro lado, as estatísticas mostram que a morte de baleias-brancas criadas em cativeiro é bastante comum. A taxa de mortalidade entre os filhotes da espécie é de 65%. Baleias-brancas que sobrevivem ao cativeiro, atingindo a idade adulta, costumam morrer antes dos 30 anos, enquanto espécimes livres vivem até os 60. As informações são do site The Dodo.

Segundo a cientista Naomi Rose, especialista em mamíferos marinhos, aquários possuem motivos econômicos para insistir que a criação em cativeiro para exibição pública nada tem a ver com essas mortes, porém, eles se recusam a conduzir pesquisas científicas precisas e necessárias que poderiam compreender melhor a mortalidade desses filhotes em aquário.

No mês passado, uma outra baleia da mesma espécie morreu no Aquário da Georgia, antes de completar um mês de vida.

Nota do Portal: Circos, aquários e zoológicos não são locais para esses animais. Animais retirados da Natureza ou criados em cativeiro para servir de entretenimento humano nunca será uma ação correta. A conservação de espécie, tão usada como marketing social por essas grandes corporações de poder econômico e político são apenas uma desculpa fajuta para se lucrar em cima da exploração dessas espécies. A proteção e conservação de espécies pode se dar por outros diversos meios.

A sociedade deve repensar seu modo de querer relacionar-se com os animais, abrir mão da ideia de colocar os próprios interesses (diversão) acima dos interesses das outras espécies (viver bem e em liberdade), a sociedade humana deve abrir mão do especismo que embaça nossa visão na hora de ver a realidade de escravidão que impusemos aos animais. Não visite esses locais, conheça e pratique o Veganismo!

Deixe uma resposta