Escrito em por
Fotografia & Propaganda.

A Propaganda pós-carnaval do Ministério da Saúde publicada no dia 18/03 retrata a história de um jovem rapaz que encontra um bilhete de uma parceira no bolso de sua calça no momento em que está deixando suas roupas na lavanderia e em seguida encontra no mesmo bolso uma camisinha lacrada. O jovem começa a se questionar e tentar lembrar se usou camisinha naquele dia. Então, ele decide perguntar ao elefante se o animal se lembrava do uso da camisinha (alusão gerada devido ao fato da boa memória do animal – os elefantes conseguem diferenciar o odor da urina de até 30 parentes fêmeas, mesmo que tenham ficado separados durante anos (fonte: Briggs – em inglês)).



O comercial termina com o elefante levando o garoto até uma Unidade Básica de Saúde para fazer o teste de HIV.

Até aí, tudo bem, um comercial interessante falando sobre a questão da Aids, se não fosse o fato da agência utilizar um elefante de verdade, ao invés, de um modelo computadorizado.

Esse elefante com certeza é proveniente de algum circo e foi domesticado de forma cruel através de estímulos de punição para o seu condicionamento.

Quer conhecer mais sobre a exploração dos animais no circo assista o documentário Terráqueos ou veja a opinião do ator Alec Baldwin sobre o treinamento e a prática circense.


Além do mais, a propaganda fere diversos artigos da Declaração Universal dos Direitos dos Animais da UNESCO, entre elas:

• Artigo 4º
a. Cada animal que pertence a uma espécie selvagem tem o direito de viver livre no seu ambiente natural terrestre, aéreo ou aquático, e tem o direito de reproduzir-se.

b. A privação da liberdade, ainda que para fins educativos, é contrária a esse direito.


• Artigo 5º

a. Cada animal pertencente a uma espécie que vive habitualmente no ambiente do homem, tem o direito de viver e crescer segundo o ritmo e as condições de vida e de liberdade que são próprias a sua espécie.

b. Toda modificação desse ritmo e dessas condições , imposta pelo homem para fins mercantis, é contrária a esse direito.

O que podemos fazer?

Divulgar essa notícia, devemos nos posicionar de forma contrária a esse tipo de propaganda, realizando comentários no canal da Propeg mostrando o erro da agência em utilizar um animal durante suas campanhas, pressionar o Ministério da Saúde para não realizar mais campanhas desse tipo, entrar em contato com o CONAR (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) denunciando o ocorrido e pedindo medidas para banir esse tipo de propaganda que se utiliza de animais.




Ficha Técnica
Título: Lembrança
Anunciante: Ministério da Saúde
Produto: Institucional utilidade pública
Agência: Propeg
Criação: Maurício Oliveira,Gustavo Simões e Seiki Fabrício
Direção de criação: Ana Luísa Almeida e Cláudio Leite
Atendimento: Adriana Mercadante, Nathalia Cassia e Jackeline Borges (web)
Produção RTV: Márcia Chini, Dani Noronha e Henrique Ulhôa
Mídia: Roberta Barroso e Neide dos Santos
Mídia Web:Andressa Ermel
Fotografia:
Produtora/filme: 
Margarida Filmes
Direção/filme: Marcos Jorge
Produtora de som:Baticum
Aprovação/cliente: Sergio Correa e Isabel Aoki

Ambientalista, adepta da alimentação sem carne, simpatizante dos direitos animais e agora blogueira!

Facebook Twitter 

Deixe uma resposta