Escrito em por
Vale do Paraíba.

Parque Municipal Marinho das Tartarugas

A Prefeitura de Ilhabela, por meio da Secretaria do Meio Ambiente, realizará, às 18h30 do dia 26 de outubro (segunda-feira), uma Audiência Pública sobre a criação do Parque Natural Municipal das Tartarugas, no auditório da Câmara Municipal.

O parque será criado na região entre o bairro do Piúva e a Praia do Sérgio, incluindo o entorno do ilhote da Praia do Julião, ao sul do arquipélago.

audiencia-em-ilhabela-sp-discute-criacao-de-parque-marinho-tartarugas-pesca-predatória

Na área existem mais de 25 espécies classificadas com algum grau de ameaça de extinção, segundo a lista nacional (IBAMA, 2014) e da International Union for Conservation of Nature (IUCN). Além disso, várias delas sofrem impacto direto de ações de origem humana, tais como: presença de contaminantes, colisão com embarcações, exploração de pesca, presença de lixo, entre outros.

Segundo o jornal Tribuna do Povo, a criação da unidade de conservação de proteção integral na área deverá proteger a fauna marinha local e estimular o turismo sustentável.

O Estudo Técnico para Criação de Unidade de Conservação está disponível para consulta pública neste link.

Nota do Portal: Ilhabela é importantíssima para a continuidade da vida de uma diversidade enorme de espécies marinhas e terrestres. Diversos grupos de golfinhos, baleias jubarte, baleias orca, tartarugas e lobo-marinho já foram avistados na região.

Outros animais considerados não tão importantes, de um ponto de vista ecológico, mas fundamentais pelo valor inerente que possuem de um ângulo animalista, também habitam esse local, animais que não estão em vias de extinção, animais que não são considerados bonitos (segundo padrões humanos), animais usados para consumo, e outros, precisam ser defendidos da mesma maneira.

Para isso é necessário a criação de um parque natural em defesa das espécies e dos indivíduos e que tanto a pesca industrial quanto a pesca artesanal, submarina e amadora sejam proibidas. As brechas precisam ser avaliadas e as famílias que vivem da caça marinha (pesca) de subsistência devem ser amparadas para terem outras formas de se sustentarem.

A pesca, independente de seu tipo, é danosa aos animais, tanto para aqueles alvos dessa ação especista, quanto para aqueles que não são alvos dela. Como ocorrido com esse filhote de tartaruga encontrado morto enroscado em uma rede de pesca (Ilhabela, 2013).

Falando em brechas, a aquicultura jamais deveria ser permitida em um santuário ecológico!

Deixe uma resposta