Escrito em por
Vale do Paraíba.

Seja um tutor responsável: cuide bem do seu companheiro!

As prefeituras do Litoral Norte estão coibindo a presença de animais domésticos nas praias, o foco maior da fiscalização está nos cães.

A motivação das prefeituras litorâneas é que além de ilegal passear com animais na maioria das praias, os cães podem ser contaminados por verminoses, sofrer queimaduras de pele e desidratação, além de ocasionar também doenças para os seres humanos que vão de micoses a bicho geográfico.

cão-multa-praia-litoral-norte-ubatuba-caraguatatuba-camaleao

Caraguatatuba
Em Caraguá, quem passear com cão na praia poderá pagar multas que variam de R$250 a R$2.500. Ao todo cerca de 1.000 pessoas desde o início da temporada de verão já foram abordadas pelo Centro de Zoonoses da cidade, 60 dessas pessoas estavam com os cães na areia.
Nos finais de semana, seis equipes com 13 funcionários saem percorrendo as praias e conversando com moradores locais e turistas, somente no calçadão os tutores podem passear com os animais.

Demais cidades
As ações de combate à presença de cães também acontecem nas praias de Ubatuba, São Sebastião e Ilhabela. A cidade de São Sebastião chegou a instalar 43 placas informativas em todas as praias orientando a população sobre a proibição dos cães nas areias das praias.

Dica
A recomendação é que as pessoas passeiem com seus companheiros em horários frescos para evitar que os animais queimem as patas. Outra dica é nunca deixar os cães nos carros, mesmo com vidros semiabertos. Infelizmente, registros de mortes de cachorros sufocados dentro dos veículos já aconteceram diversas vezes, por que o tutor foi dar uma “simples voltinha”. 

Nota do Portal:
Medidas como essa de proibir cães nas praias do litoral norte, serviriam apenas como orientação por preocupação em relação a saúde dos animais (como no caso das queimaduras de suas patas) e não quanto medida proibitiva visando uma proteção exacerbada do ser humano em proposta da exclusão e segregação das outras espécies, da liberdade delas de ir e vir em um espaço natural (que deveria ser de usufruto de todas e todos), e também da liberdade de se refrescarem nas águas do mar, necessidade esta que é comum aos animais-humanos e também aos outras espécies de animais, principalmente em épocas de calor.

Tal medida especista pode ser comparada perfeitamente as medidas racistas e classistas tomadas por parte da administração de certos shoppings de elite, que estão a todo custo tentando excluir uma parcela da população de frequentarem esses locais.

Um grupo motivado por interesses próprios de frequentar um local em comum, excluindo outro grupo. Dois casos semelhantes, com vítimas diferentes.

Fonte: CaraguatatubaO Vale [adaptado]

Fundador do Portal Veganismo e do Grupo CAMALEÃO.
Comunicólogo, autodidata em História, Filosofia e conhecimentos gerais. Ativista abolicionista pelos Direitos Animais, membro da Sociedade Vegana.

Facebook   

Deixe uma resposta