Escrito em por
Vale do Paraíba.


Warning: Undefined array key "use_custom_image" in /home/portalveganis489/public_html/wp-content/plugins/custom-about-author/display-about-author-block.php on line 134

Cavalos não são veículos. Animais não são recursos!

Nesse domingo (6), por volta das 13 horas da tarde, uma égua que apresentava sinais claros de muito cansaço veio a desmaiar na rotatória de ligação entre a avenida São Pedro e a avenida Oswaldo Aranha, em Taubaté (SP).

egua-cai-de-cansaco-ao-puxar-carroca-em-taubate-spO animal estava todo suado, com ferimento nas patas, a boca sangrando e mancando da perna traseira esquerda. O condutor da charrete (sem placa) alegou que havia sido apenas um escorregão, porém, segundo munícipes que presenciaram o ocorrido, o animal permaneceu estirado ao chão, mesmo após ter sido desatrelado da charrete.

Ainda segundo informações locais, o carroceiro atrelou o animal novamente a carroça, e atendendo a solicitação das pessoas que presenciavam a cena, levou o animal até ao Posto da Polícia Militar mais próximo para prestar esclarecimentos e ser liberado em seguida.

Um projeto de lei, de autoria do vereador Douglas Carbonne (PCdoB), circula na Câmara para a proibição da circulação das carroças em perímetro urbano na cidade de Taubaté (SP).

O projeto do vereador busca acabar com o abuso dos cavalos e dar melhores condições para os carroceiros em outras profissões ou o mantendo na profissão, porém, utilizando um veículo sem tração animal.

Solicite apoio dos vereadores da Câmara Municipal de Taubaté para proibição das carroças em Taubaté!

Nota do Portal: O problema do uso de cavalos para transporte de carga, se dá no próprio uso do animal, que não é um veículo, mas sim, um indivíduo, um animal senciente, com interesses próprios que não é o de ser tratado como escravo, como propriedade humana. Cavalos utilizados em carroças, na maior parte dos casos, passam o dia todo sem se alimentar corretamente, com bridão em suas bocas machucando suas línguas, além do transtorno de chicotadas e do barulho do trânsito que o atormenta. A proibição é a única forma de coibir “acidentes” como esse.

 

Deixe uma resposta